O microbioma e as doenças alérgicas

Os primeiros 1000 dias de uma criança iniciam na concepção e vai até o segundo ano da vida. Nesse período vai sendo composta a microbiota intestinal, na diversidade de microrganismos e número, que sofrem influências de diversos fatores, como:

  • Tipo de parto;
  • Uso de antibióticos no pré ou pós-natal;
  • Condições geográficas e socioculturais;
  • Fatores nutricionais (aleitamento materno, uso de fórmulas infantis, vitaminas, pré, pró e pós-bióticos e dieta).

Antes de realizar sua primeira respiração no nascimento, a criança já está sendo contaminada. O leite materno contém uma série de fatores bioativos e imunoestimulantes que, em parceria com a microbiota intestinal, reduzem a colonização de possíveis patógenos (que produzem doenças).

As doenças alérgicas que sofrem modulação do microbioma são:

  • Doenças alérgicas respiratórias: asma e rinite alérgica;
  • Dermatite atópica;
  • Alergias alimentares;
  • Alergia à proteína do leite de vaca (APLV).

De maneira geral, para o tratamento da rinite alérgica e asma, assim como de outras doenças imunomediadas, os resultados são promissores, porém mais estudos clínicos são necessários para se definir qual é a melhor cepa probiótica, quando e quando iniciar e por quanto tempo.

Link do artigo: https://jornaldaorla.com.br/noticias/o-microbioma-e-as-doencas-alergicas/

Sobre a doutora 

Júlia Mendes

Médica Dermatologista e Profª: Dermatologia na faculdade de Medicina FCMS e Especialização da SBD em Estética. Laser, Cirurgia e Beleza.