Monkeypox – Manifestação clínica

Após o período de incubação, que varia de 5 a 21 dias, sendo mais comum entre 6 e 13 dias, a pessoa infectada inicia os sintomas com febre, cefaleia, fadiga, mialgia, , astenia, dor nas costas e linfadenopatia. Após esse período de pródromo, com duração de 1 a 3 dias, surge a lesão de pele, que a partir do local da infecção primária, a erupção maculopapular centrífuga, se espalha rapidamente para outras partes do corpo.

Dentro de mais ou menos 12 dias, as lesões progridem do estágio de máculas para pápulas, vesículas, pústulas e crostas, tendo uma evolução mais uniforme das lesões, o que diferencia da varicela e da sífilis. As crostas desaparecem em média entre 2 e 4 semanas, onde a pessoa deixa de infectar outras pessoas.

A OMS classificou um escore de gravidade em:
Leve (< 25 lesões de pele);
Moderada (25-99 lesões de pele);
Grave (100-250 lesões de pele);
Crítico (> 250 lesões de pele).

CASO SUSPEITO:
Indivíduo de qualquer idade que apresente subitamente:
Lesão em mucosa (lesões profundas e bem circunscritas, muitas vezes com umbilicação central) e/ou
Erupção aguda cutânea sugestiva de Monkeypox única ou múltipla (com progressão da lesão nos estágios sequenciais específicos: máculas, vesículas, pústulas e crostas)
Lesões que surgem em qualquer parte do corpo (incluindo região genital/perianal, oral) e/ou
Proctite ( dor anorretal, sangramento) e/ou
Edema peniano associado aos outros sinais e sintomas.

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL:
1. COLETA DE FLUIDO DAS LESÕES (SWAB):
O ideal é a coleta na fase aguda, com a coleta dos fluidos de lesões das vesículas ou pústulas vesiculares.
2. COLETA DE LESÃO SECA:
Em casos de lesão seca, coletar aquelas em fase mais inicial de cicatrização, pois a chance de detecção de genoma viral
ou da partícula viral é maior.

VIGILÂNCIA DOS CASOS:
A investigação da exposição deve abranger os últimos 21 dias antes do início dos sintomas.
Não há necessidade de isolamento dos contatos assintomáticos!
Inclusive nos casos de profissionais de saúde.

Na suspeita da doença procurar o atendimento médico.

Link do artigo: https://jornaldaorla.com.br/noticias/monkeypox-manifestacao-clinica/

Sobre a doutora 

Júlia Mendes

Médica Dermatologista e Profª: Dermatologia na faculdade de Medicina FCMS e Especialização da SBD em Estética. Laser, Cirurgia e Beleza.