Já ouviu falar em vitiligo?

A cor da pele é dada por alguns fatores como vasos sanguíneos, tecidos constituintes do subcutâneo e principalmente pela melanina. A principal função da melanina é filtrar a radiação ultravioleta e proteger as nossas células de danos ao DNA, ela é produzida pelas células chamadas de melanócitos. Existem doenças que podem alterar a cor da pele através da diminuição da produção da melamina pelos melanócitos, o Vitiligo é uma delas, atingindo cerca de 0,5-2% da população mundial.

A maioria dos casos de vitiligo surge entre os 10 e 30 anos de idade. A pessoa com essa doença pode apresentar manchas hipocrômicas (de cor mais clara que a pele natural) ou acrômicas (manchas com ausência completa de pigmento), a lesão terá limites bem definidos, geralmente com bordas hipercrômicas e não pruriginosas (não coçam). A forma e extensão da doença variam muito, podendo haver casos localizados ou generalizadas. Há tendência à distribuição simétrica e predileção por áreas como punhos, face, maléolos, face anterior das pernas, dedos, axilas, dorso das mãos, pescoço e genitália.

A causa do vitiligo não está bem estabelecida, mas sabemos que não é contagiosa e que existe componente genético, imunológico e sofrem também influência emocional. O diagnóstico não costuma ser difícil, porém o seu manejo pode ser complexo.

A escolha do melhor tratamento é muito individual, existindo diversos tipos de terapias, tais como: corticoides tópicos, imunomoduladores, análogos da vitamina D, helioterapia, fototerapia dentre outros. A Dra Loanda Oliveira Fukuma, médica e aluna do 1º ano de dermatologia da UNILUS, relata que “temos muitos pacientes no nosso ambulatório e a evolução é imprevisível, sendo importante atender o paciente de forma holística, estimulando hábitos saudáveis, cuidados com a pele, bem-estar e apoio psicológico, pois as crises emocionais ou o estresse também podem afetar a evolução da doença”. É importante que o paciente que recebe essa diagnose ou que suspeite dela busque um médico dermatologista para cuidados e tratamentos adequados.

Link do artigo: https://jornaldaorla.com.br/noticias/ja-ouviu-falar-em-vitiligo/

Sobre a doutora 

Júlia Mendes

Médica Dermatologista e Profª: Dermatologia na faculdade de Medicina FCMS e Especialização da SBD em Estética. Laser, Cirurgia e Beleza.