Depilação

O corpo humano é recoberto por pelos que têm a função de aquecer, proteger o corpo da luz solar, diminuir a fricção e reduzir o risco de infecções. Devido questões culturais e estéticas, o hábito de retirar os fios corporais se tornou corriqueiro e assim, problemas relacionados surgiram como: irritação, infecções e manchas.

Os métodos depilatórios mais comuns são: lâmina de barbear, cera e laser. E, cada um deles, necessita de cuidados específicos a fim de evitar dermatite traumática (irritação, vermelhidão e coceira), foliculite (infecção do folículo piloso geralmente por bactérias da pele), pseudofoliculite (cabelos raspados que ao crescerem se encurvam e voltam para o interior da pele) e manchas.

Inicialmente e independentemente do método escolhido, a pele a ser depilada precisa ser hidratada diariamente e estar íntegra (sem machucados ou feridas prévias) no dia da depilação.

O segundo passo é escolher o método depilatório e prosseguir o processo. Quando se opta pela lâmina de barbear, são preferidas as que possuem palhetas descartáveis ou as que são facilmente higienizáveis após o uso. Realizar a depilação durante banho morno, pois facilita a abertura dos poros, além de passar a lâmina poucas vezes no sentido de crescimento dos pelos, o que diminui a irritação e a possibilidade de foliculite ou pseudofoliculite.

Se sua opção é a cera, atente-se ao local escolhido para realizar sua depilação, pois não é aconselhado reutilizar ceras devido risco de infecções bacterianas e fúngicas. Além disso, por ser um método que utiliza a tração do fio para arrancá-lo, frequentemente causa dermatite após o procedimento.

Por último e entre as opções mais modernas, temos a depilação a laser. Esta “queima” o pigmento do fio desde sua raiz e assim o destrói. Sendo uma excelente alternativa para fototipos mais baixos com menor chance de foliculite e pseudofoliculite. Mais uma vez atento para a necessidade de escolher um local seguro, pois há risco de queimadura e manchas se realizado com técnica inadequada. Nesse método, a orientação é não se expor ao sol 30 dias antes e 14 dias após o laser.

Segundo a nossa médica especializanda em Dermatologia pela Fundação Lusíada, Dra Marinna Sampaio Campos, outras medidas podem ser adotadas entre as sessões de depilação para evitar dermatite e manchas. São elas: hidratação diária evitando produtos com álcool, esfoliação leve uma ou duas vezes na semana e uso regular do protetor solar.

Link do artigo: https://jornaldaorla.com.br/noticias/depilacao/

Sobre a doutora 

Júlia Mendes

Médica Dermatologista e Profª: Dermatologia na faculdade de Medicina FCMS e Especialização da SBD em Estética. Laser, Cirurgia e Beleza.